11/16/2010

Quando a liberdade é ferida não há remédio que a cure


A prisão de Telma  também demonstra o quanto a verdade pode ser alterada quando se quer.
Como disse anteriormente ninguém me mostrou, eu passei no local da performance, pouco antes de fechar a Feira, passamos entre três pessoas ao largo do grupo de pessoas que assistia a poeta Telma Scherer. O argumento usado pela Feira da impossibilidade de passagem de um cadeirante chega a ser terrível pelo mau uso do exemplo.
Os 56 anos alegados pela mesma nota, também não explicam, que esse tempo transcorreu com diversas administrações da Câmara do Livro, ou seja, não acredito que essa antiguidade também dê guarida a esse tipo de atitude e nem mesmo as estatísticas que a Câmara exibe garantem a isenção de responsabilidade nessa questão, pois quando a liberdade é ferida, a estatística, as afirmações de idoneidade são inúteis. E se torna mais grave quando se trata de um evento dito cultural, não apenas livreiro e que utiliza verbas públicas para sua consecução.

A nota publicada pela Feira do Livro  que pode ser lida abaixo ou verificada na link
http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&section=Geral&newsID=a3108341.xml

Nota da Câmara Rio-Grandense do Livro

A Câmara Rio-Grandense do Livro realiza a Feira do Livro de Porto Alegre há 55 anos sempre preocupada em garantir um evento democrático, aberto e gratuito. As manifestações populares durante a realização da Feira do Livro são comuns e até mesmo já se tornaram uma prática natural em locais onde há grande concentração de pessoas.

A ação da Brigada Militar ocorrida na noite de sexta-feira, foi motivada pela solicitação de visitantes da Feira do Livro que foram impedidos de circular, como por exemplo, mãe e filho cadeirante que não conseguiram prosseguir em um corredor do evento.

Outros fatos decorrentes da manifestação, como a ingestão abusiva e a oferta de bebida alcoólica na via pública, foram relatados por diversas pessoas.

A ação da Brigada Militar foi no sentido de colaborar para a segurança de todos, inclusive da própria manifestante, que foi conduzida até o posto policial da Praça da Alfândega, acompanhada de amigos e outras pessoas que assistiram a abordagem da Brigada Militar.

A autora não foi presa, tendo sido liberada imediatamente após sua identificação, uma vez que não portava documentos e não foi realizada representação contra a mesma.

ZERO HORA

Um comentário:

ana kosby disse...

`Quando a liberdade é ferida não há remédio que cure´A luta pela liberdade é o mais belo significante da vida. Muito bom texto. Nos faz pensar no que resta após a perda da liberdade. Se é ferida sem cura, resta apenas a luta ou a inércia até a morte da dignidade. Grande abraço.